O Arthashastra de Kautilya

Precursor indiano de O Príncipe de Maquiavel e de Da Guerra de Clausewitz.

A discussão conduzida pelo pesquisador Rafael Regiani.

 

a tese de mestrado de Regiani (que investiga a geopolítica da Índia em tempos antigos e atuais) contém uma análise do Arthashastra em suas páginas 13-37

Referências:

  1. Chanakya
  2. Arthashastra
  3. Wikisource Arthashastra
  4. Arthashastra/Book I

 

 

 

 

 

 

existiu o homem Sun Tzu?

STDe tempos em tempos, volta a baila o questionamento sobre Sun Tzu ter realmente existido.

A ausência de evidencia, não significa evidencia da ausência. — Carl Sagan

Desta feita, o site Boa Informação questiona de uma só vez a existência tanto de Sun Tzu, quanto do Lao Tzu ou Lao Zi no post 5 pessoas que conseguiram coisas incríveis e podem não ter existido citando 10 People Who Achieved Great Things (Despite Never Existing).

 

 

Sun Tzu e A Arte da Auto Ajuda

de Rodrigo Leão no Metro São Paulo, de 22/11/2007.

Toda vez que eu passo naquela livraria do Aeroporto de Congonhas eu tenho certeza de que estão de sacanagem com a minha cara. Fico embasbacado com a seleção à venda. A maioria dos livros é de um estilo que poderia se chamar auto-ajuda para executivos, mas que se você chamar de cocô mole não sou eu que vou discordar.

O mercado de livros de auto-ajuda para executivos é uma guerra. E nessa guerra as duas das maiores vítimas são Sun Tzu, o lendário general chinês autor de “A Arte da Guerra” e o próprio Nosso Senhor, Jesus Cristo.

Só o autor Gary Gagliardi agride a memória de Sun Tzu com “Sun Tzu — A Arte da Guerra + A Arte do Marketing” e “Sun Tzu — A Arte da Guerra + A Arte da Administração e Negócios”. Seguido de perto por Gerald A. Michaelson com “A Arte da Guerra para Gerentes”, que sagazmente deixa espaço para próximos lançamentos como “A Arte da Guerra para Diretores” e o tão aguardado “A Arte da Guerra para Secretárias Bilíngües e Tradutores Juramentados”.

Já Chin-Ning Chu entra com um ataque pelos flancos com “A Arte da Guerra para Mulheres”, título que me lembrou uma piada do Robin Williams, que dizia que se as mulheres controlassem o mundo, não haveria mais guerras. Apenas negociações intensas a cada 28 dias. Nessa mesma toada, Lois P. Frankel vem com “Mulheres Boazinhas não Enriquecem e “Mulheres Ousadas Chegam Mais Longe”, títulos com os quais todo mundo concorda e que por isso ninguém precisa ler.

Agora, na categoria “Usando o Nome do Senhor em Vão”, temos Ken Blanchar e Phil Hodges, com “Lidere como Jesus” e Laurie Beth Jones com “Jesus – O Maior Líder que Já Existiu”. Imagino que o primeiro capítulo de ambos leve em conta a complexa questão da Santíssima Trindade. Se Deus é único, mas revelado em três Pessoas distintas, o Pai, o Filho e o Espírito Santo, me parece perigoso tirar conclusões de liderança empresarial tendo só um dos três como foco. Ou, pior, daqui a pouco vão escrever “A Arte de Ser Múlti- Tarefas com a Santíssima Trindade”.

Há ainda o dr. Thomas Anderson, que escreveu “Deus Quer que Você Seja Milionário”, que explica o processo de experimentar as bênçãos de Deus através de investimentos sensatos e do resultante crescimento de riqueza. O que nos leva à conclusão óbvia de que Deus gosta muito do multibilionário americano Warren Buffet, pois ninguém jamais investiu de forma tão sensata e lucrou tanto. O problema é que Mary Buffet e David Clark já escreveram “O Tao de Warren Buffett”. Afinal, o velhinho ficou rico por causa do Tao ou foi Deus? Só Sun Tzu saberia responder.

RODRIGO LEÃO é músico, jornalista e publicitário. Escreve às quintas-feiras. Visite o blog da coluna: popprop.wordpress.com
www.000webhost.com